I Am Not Okay With This – 1ª Temporada

2 de março de 2020

Adolescência nunca é uma fase fácil e I Am Not Okay With This mostra que ela pode ser ainda mais complicada. Misturando Stranger Things com X-Men, a nova série da Netflix é uma adaptação de graphic novel que ganha vida em formato live-action.

Fonte: Netflix

A História

A atração apresenta Sydeny Novak (Sophia Lillis), uma gatota de 17 anos que vive com sua mãe e irmão mais novo. Um ano após a morte do seu pai, ela começa a se sentir frustrada por conta desta situação, mas acredita que isso seja a puberdade.

Em meio a esse turbilhão de emoções, ela percebe que coisas estranhas estão acontecendo a sua volta. Algo que ela não consegue explicar, mas que parece estar ligada aos sentimentos que ela guarda para ela mesmo.

Esse é o ponto de partida de I Am Not Okay With This: um drama adolescente que poderia ser muito bem uma história paralela de um personagem dos X-Men. Contudo, tem seu próprio charme e formas de cativar o espectador.

Fonte: Netflix

Querido diário…

A adaptação da graphic novel do autor americano Charles Forsman (The End of F***ing World) muito próprio de contar sua história. Por exemplo, acho bem interessante a forma como Sydney conversa com seu “querido diário” e seu papel na narrativa. 

Isso traduz bastante os sentimentos de isolamento e depressão que a personagem sente. Assim como estabelece uma conversa direta com o espectador que apenas observe ela lidando com todas as suas dificuldades.

Neste ponto, o roteiro apresenta boas piadas ao mostrar os contrastes dos pensamentos da personagem e a realidade. Tudo isso aliado a uma trilha sonora que ajuda a complementar o que está acontecendo em tela.

Fonte: Netflix

Apesar de certas coisas ficarem bem evidentes para quem assiste, o clima de suspense sobrenatural é o segundo destaque. Acompanhar as descobertas de Sydney acaba sendo uma jornada interessante.

Por fim, há muitas inspirações de diferentes filmes que mostram o período “High School”. Seja uma detenção igual O Clube dos Cinco (1985) ou a tragédia do baile como Carrie – A Estranha. Então, essas referências levam a outras influências.

Fonte: Netflix

Uma série “algoritmo”

Apesar de adaptar uma HQ, I Am Not Okay With This é claramente um resultado de combinações de algoritmo. Isso fica claro ao ter Shawn Levy, diretor de Stranger Things, e Jonatthan Entwistle, criador de The End of The F***ing World, como produtores executivos.

A atração traz diversas referências indiretas a essas séries e a outros programas da Netflix. Por exemplo, os personagens iniciando a vida sexual lembra Sex Education e os poderes da protagonista fazem ela parecer alguém de The Umbrella Academy.

Para completar, o clima de mistério tem uma inspiração na primeira temporada de Riverdale. Todos esses títulos são dramas adolescentes combinados com um humor simples que pode tirar boas risadas. Bem como, fazem sucesso no serviço de streaming.

Fonte: Netflix

Mas I Am Not Okay With This é bom?

Mesmo com todas essas combinações de algoritmos, I Am Not Okay With This ainda consegue girar em seu próprio mundo. Ela tem um tom muito próprio e uma dinâmica diferente das outras atrações.

Sophia Lillis consegue entregar uma atuação bem cativante e, aparentemente, a atração se sustenta em cima disso. Contudo, o visual que lembra uma mistura de Eleven do Stranger Things e a Seven de The Umbrella Academy parece mais uma influência do tal algoritmo.

O final da primeira temporada deixa um grande gancho para uma continuação. Aliás, os últimos minutos da “season finale” compensa o ritmo lento da série em alguns momentos. Resta saber se a atração conseguiu alcançar bons níveis de audiência na plataforma.

Então, se você busca alguma coisa para maratonar em um final de semana ou em um dia tranquilo em casa, I Am Not Okay With This é uma excelente opção!


Comentários

O Mundo Sem Joey - Comentários