O que eu ouvi: Março 2020 (ou como sobreviver a quarentena I)

31 de março de 2020

Março foi um mês que começou bem tranquilo, mas que logo se tornou uma loucura. Então, esses são alguns dos artistas que me ajudaram a ficar bem durante o período de distanciamento social.

Nujabes – Silver Morning

Conheci o DJ japonês Nujabes em 2007, quando ele fez a trilha sonora do anime Samurai Champloo. Contudo, nunca me aprofundei no seu trabalho. Somente, depois de ver um vídeo especial sobre ele no canal do Genius no YouTube que tirei um dia para ouvir os discos.

São trabalhos incríveis de lo-fi hip-hop em colaboração com outros ótimos artistas. Por exemplo, Silver Morning é uma parceria do produtor com o Force of Nature.

Childish Gambino – 19.10

Childish Gambino/Donald Glover é um dos artistas que mais admiro no momento. Portanto, fiquei bastante empolgado quando ele lançou de surpresa o disco 3.15.20. Claramente, esse é um material que mostra uma nova fase dele como músico.

Achei bem interessante o estilo que aplica em 19.10. Posso estar errados, mas ele traz um clima modernizado de soul mesclado com o seu estilo de hip-hop. Enfim, o disco inteiro é sensacional. Sem dúvidas, um dos melhores lançamentos de março.

Georgia Maq – Like I Do

Georgia Maq e o disco Pleaser (2019) foram as minhas companhias em algumas tardes de trabalho em março. Esse trabalho solo da vocalista do Camp Cope traz um estilo meio pop, mas bastante gostoso de ouvir. Além, é claro, dela ter uma voz bem poderosa.

Like I Do é uma das minhas músicas preferidas do álbum. Na minha opinião, ela reflete bem todo o contexto do material. Recomendo que você escute um dia!

Laura Stevenson – Runner

Laura Stevenson foi outra artista que me acompanhou nas tardes de trabalho e nas minhas leituras antes de dormir. No caso, a cantora americana também foi minha companhia durante uma longa viagem de Campinas para Marília.

Assim, deu tempo de conhecer bem seus discos e sua forma compor. Além de me ajudar a acalmar a ansiedade enquanto eu largava o Twitter/Facebook e ficava observando as estrelas. 

The Hellacopters – No Song Unheard

Uma das alegrias de março foi assistir ao show do The Hellacopters. Após quase 15 anos, consegui assistir uma das bandas que eu mais curti durante a adolescência. Nem acredito que ouvi No Song Unheard ao vivo.

No fim, valeu a pena a espera. Sai feliz do show e mal sabia que era em poucos dias iria entrar em quarentena. Penso que foi uma ótima despedida do convívio social. 

Thirteen Brotherhood – Saint & Sinner

As únicas coisas que me dão orgulho de Santos são as bandas de lá. Um exemplo disso é o Thirteen Brotherhood que lançou em março o seu segundo disco, Walk the Walk.

O álbum inteiro é incrível. No entanto, criei uma simpatia com Saint & Sinner desde a primeira vez que ouvi. Sem dúvidas, uma das minhas músicas preferidas de março.

Violent Soho – Pick It Up Again

Nesses dias de quarentena, acabei ouvindo bastante Violent Soho. Seja porque eles vão lançar disco novo em breve, seja porque eles são uma ótima trilha sonora para o trabalho.

Pick It Up Again é um dos singles recentes que grudou na minha cabeça de uma forma que não sei explicar. Além disso, ela tem um clipe incrível e curioso.

Superchunk – Learned to Surf

Uma banda que ando pirando bastante na sonoridade é Superchunk. Confesso que nunca tinha prestado atenção na banda até ouvir Majesty Shredding (2010). Como resultado, comecei a ouvir todos os discos em ordem de lançamento. Que coisa sensacional!

Screeching Weasel – Brain In A Jar

Quem também lançou disco novo em março foi o Screeching Weasel. Sinceramente, não estava preparado para a energia do Some Freaks of Atavism. No fim, o álbum virou minha trilha sonora na hora de jogar FIFA 20 nesses dias de recolhimento.

Pears – Comfortably Dumb

Como recomendei, lá no começo de março – antes de todo o caos –, o Pears lançou um disco autointitulado. De fato, posso afirmar que gostei dele muito mais do que esperava. Apesar de já ter colocado em outra mixtape, Comfortably Dumb é uma das minhas favoritas.

Então é isso. Essa foi a minha mixtape com sons que deixaram meu isolamento social um pouco menos pior em março. De qualquer forma, continuem em casa, cuidem-se e até o próximo mês!


Comentários

O Mundo Sem Joey - Comentários